segunda-feira, janeiro 09, 2017

Viagens da Limonada ... #10 Dubai

E aqui está o tão aguardado post sobre a mais recente Viagem da Limonada.
O destino final era as Maldivas, mas pelo caminho decidimos passar três dias no Dubai.

DUBAI:
O Dubai é um dos sete emirados que constituem os Emirados Árabes Unidos, uma confederação de monarquias árabes cada uma com a sua soberania. Apesar de o Dubai ser a cidade mais popular, a capital dos EAU é Abu Dhabi.

A cidade de Dubai é mundialmente conhecida pelos seus edifícios altos e arrojados, pela arquitectura moderna aliada à tecnologia e excentricidade, pelas largas avenidas e autoestradas e pela extravagância que impera por toda a cidade.






A primeira ideia a ter presente numa visita ao Dubai é que tudo parece perto quando visto no mapa, mas na realidade tudo dista quilómetros de distância. Andar a pé de uma atracção para outra é absolutamente proibitivo. O ideal é percorrer a cidade de metro, taxi, ou até mesmo recorrendo aos autocarros turísticos que nos dão uma panorâmica geral da cidade.

Foi o que fizémos no primeiro dia. Através da Big Bus Tours visitámos toda a cidade nos autocarros Hop On Hop Off. Depois de já sabermos onde fica o quê e a que distância, é muito mais fácil usar o metro e deslocarmo-nos para onde queremos.

O bilhete diário da Big Bus Tours custa 225 AED, ou seja, 58€ ou 61$ por pessoa, é válido por 24 horas e inclui um cruzeiro pelo Dubai Creek e outro cruzeiro na Dubai Marina, a entrada no Dubai Museum e no Shingdagha Museum. Durante o passeio vamos ouvindo a descrição e explicação dos sítios mais importantes.

Escusado será dizer que o bilhete de um dia não chega para aproveitar todas essas actividades, mas pelo menos podemos escolher quais queremos fazer.

O Big Bus tem 3 linhas:
- A City Tour que inclui o Dubai Museum, a zona mais antiga e histórica da cidade, com as suas mesquitas e museus, com os seus mercados (Old Souk, Gold Souk e Spice Souk). Provavelmente a zona mais autêntica da cidade de Dubai. É nesta tour que se pode fazer o passeio de barco pelo Dubai Creek, um canal que divide a cidade ao meio.

- A Beach Tour que começa no Dubai Mall, sendo uma excelente oportunidade para ver o edifício mais alto do mundo Burj Khalifa, passa por Downtown Dubai, e atravessa toda a cidade até Jumeirah Beach . É nesta tour que é possível visitar também o Burj Al Arab, o único hotel no mundo de 7 estrelas. O hotel só pode ser visto por fora. A visita ao interior do hotel implica ser hóspede, ou pelo menos, almoçar no hotel. A próxima paragem é o famoso Hotel Atlantis, situado na ilha artificial em formato de palmeira.

- A Marina Tour: Começa no Mall of the Emirates (um shopping não tão grande quanto o Dubai Mall, mas com lojas de maior prestígio como a Louis Vuitton), e passeia por toda a vasta zona da Marina até à praia, Kite Beach. Para quem se quer aventurar nos saltos de pára-quedas, esta tour tem uma paragem nos Ski Dive Dubai. É também nesta tour que se pode aproveitar o passeio de barco junto ao PIER 7.

A NÃO PERDER:

Dubai Creek, o canal ou braço de mar que divide a cidade. A zona mais antiga e provavelmente a mais genuína, com os seus mercados onde regatear é a palavra de ordem.












Dubai Mall, o maior centro comercial do mundo, com mais de 1600 lojas, 400 restaurantes, onde se encontra o Dubai Aquarium &Underwater Zoo,  a Dubai Fountain, a mais espectacular fonte do mundo (pelo menos assim é anunciada), e uma pista de gelo de dimensões olímpicas.
É um excelente local para fazer as refeições, e um óptimo ponto de partida para uma visita à cidade, até porque tem uma estação de metro à porta.


(Aquarium and Underwater Zoo) 



(Pista de gelo)


The Dubai Fountain, com a sua dança das fontes todos os dias de meia em meia hora, a partir das 18.00h.







O edifício mais alto do mundo, Burj Khalifa, com 828 metros de altura (o Empire State Building tem "apenas" 381), é visto de praticamente toda a cidade, mas deste ponto (Dubai Mall)  tem-se uma panorâmica lindíssima com o lago e a fonte a seus pés.
É possível subir ao 125º andar do Burj Khalifa e desfrutar de uma vista de 360º que dizem ser espectacular. Nós não subimos.








Burj Al Arab, vale a pena a visita ao hotel de 7 estrelas, único no mundo, mesmo que seja só por fora, por se tratar de um edifício moderno e arrojado, em cima da praia.




Atlantis the Palm, resort localizado na ilha artificial de Palm Jumeirah, umas das maiores ilhas criadas pelo homem, construída em formato de palmeira, com tronco, 17 ramos e uma ilha circundante que forma uma barreira de protecção relativamente ao mar.



(imagem retirada da internet)



Dubai Marina, uma marina majestosa rodeada de imponentes arranha-céus espelhados.







The Walk:
Praias de areia branca, águas cálidas e tranquilas junto a um passeio repleto de lojas, esplanadas, restaurantes e hotéis (alguns com praia privada).


 (desde que se pague, há de tudo nesta cidade - disponibilizador de protector solar)

(É Natal no Dubai) 

( Restaurante-Café do Real Madrid)

(Praias de areia branca e águas quentes) 

(Promenade)


Mall of the Emirates - um shopping não tão grande quanto o Dubai Mall, cerca de 500 lojas, mas com lojas de maior prestígio e artigos de luxo como Louis Vuitton, Burberry, Bulgari, Carolina Herrera,  etc, e com uma pista de Ski artificial, a Ski Dubai.




Para quem viaja com crianças, o Dubai é conhecido também pelos seus parques temáticos e aquáticos: Legoland Dubai, Legoland Water Park, Bollywood Parks Dubai, Riverland Dubai e Motiongate Dubai.

Para quem tenha uma estadia mais prolongada, é ainda possível uma visita ao deserto ou uma deslocação à capital Abu Dhabi, que fica a apenas hora e meia do Dubai, cerca de 150 kms.


TRANSPORTES:
Metro: O metro no Dubai é uma rede recente (abriu em 2009), moderna e totalmente automatizada, ou seja, sem condutor. Actualmente tem 6 zonas, e faz ligação com  Dubai Ferry , Dubai Tram, Jumeirah Corniche, Palm Monorail.


Taxi: Rápido, seguro e relativamente barato.
Tour Buses: Provavelmente a forma mais barata e descontraída de visitar as zonas mais importantes

Por se tratarem de distâncias tão grandes, os próprios hoteís têm shuttle bus para os pontos de maior facilidade de deslocação, como por exemplo o Dubai Mall ou o Mall of the Emirates.

VOO:
Voámos para o Dubai pela Emirates, via Madrid numa viagem que durante cerca de sete horas e meia, num A380. Que classe de companhia! Desde a simpatia dos tripulantes, à qualidade das refeições, passando pelo entretenimento a bordo, com wifi gratuito a bordo durante duas horas,  a Emirates é, sem dúvida, outro conforto, mesmo viajando em classe económica.








 (giríssima a farda das meninas da Emirates)


HOTEL:
A nossa escolha recaiu sobre o recente ATANA HOTEL, um hotel com apenas 7 meses, um excelente 4 estrelas pela sua relação qualidade-preço. Por três noites pagámos menos de 300€, com buffet de pequeno-almoço incluído, wifi-gratuito, shuttle bus para diferentes locais da cidade pelo menos 5 vezes por dia. Apesar de não estar no centro, estava relativamente perto da estação de metro de Dubai Internet City e de algumas das atracções, a um bom preço.
O Hotel tem dispõem ainda de piscina e SPA.








ALERTA CULTURAL:
Apesar de muito avançado, moderno e tecnologicamente desenvolvido, não nos podemos esquecer que se trata de um país árabe e muçulmano, e que os locais vivem de acordo com regras restritas de comportamento, às quais os ocidentais não estão habituados.
As regras de conduta nos locais públicos implicam algumas restrições quanto às demonstrações de afecto, como dar beijos, abraçar ou sequer andar de mãos dadas.

Por exemplo, no dia em que chegámos, o taxista que nos levou do aeroporto ao hotel, ao aperceber-se pelo retrovisor que eu dei um beijo na cara (saliento, na cara) do Limoneiro, imediatamente nos avisou que, mesmo sendo marido e mulher, não são permitidos beijos em locais públicos, que tal acto era considerado uma ofensa e que poderia incorrer numa pena de prisão até 3 meses.
Os próprios locais denunciam esses comportamentos às autoridades se se sentirem ofendidos de alguma forma.

Repare-se nesta foto da brochura do Dubai Mall.



Na verdade, ao chegar ao hotel pesquisei na net sobre este assunto e foram vários os casos que me surgiram de turistas com problemas com a justiça, nomeadamente casais que vivem maritalmente, mas não sendo casados. Nunca ninguém nos perguntou se éramos casados ou não, mas pelo que percebi, caso seja necessário recorrer às autoridades por algum motivo, podemos ser "incomodados" com essa questão, uma vez que o sexo fora do matrimónio é ilegal e punível por lei.

Não se deve fotografar uma mulher sem a sua autorização, ou sequer lhe estender a mão em passou-bem a não ser que seja ela a fazê-lo primeiro.

Outra informação importante é que o fim de semana é Sexta-feira e Sábado, sendo que a sexta é o dia de oração, assim como para os ocidentais é o Domingo.


MOEDA:
A moeda usada é o Dirham dos Emirados, conhecida pelas siglas AED ou Dhs.  1 Dirham são cerca de 0,25€, ou seja, para contas mais rápidas é dividir a despesa por quatro e chegamos ao valor em euros. Por exemplo, 200AED são cerca de 50€. Nós trocámos a moeda no aeroporto, mas até mesmo no shopping é possível fazê-lo.

LÍNGUA:
A língua oficial é o Árabe, mas a grande maioria dos locais falam e entendem o Inglês, até porque grande parte da população é estrangeira, apenas cerca de 12% são efectivamente cidadãos nativos.

RELIGIÃO:
Islamismo.

CLIMA:
O Dubai tem clima quente e seco todo o ano, sendo que os meses mais quentes entre Junho e Setembro rondam os 40ºC.  A nossa viagem foi entre 14 e 17 de Dezembro pelo que apesar de calor, as temperaturas eram mais amenas, e muito mais recoméndáveis.

OUTRAS INFORMAÇÕES:
Não é preciso visto para o Dubai.
Não são necessárias vacinas.


CONCLUSÃO:
O Dubai é uma cidade moderna, desenvolvida, elegante, onde tudo é o melhor, o maior, o mais TOP, sem quaiquer sinais de pobreza, sem um único sem-abrigo ou pedinte na rua, absolutamente limpa e arrumada. Roçando a artificialidade de tão à-frente que é.

Apesar disso, não me senti confortável ou à-vontade durante toda a minha estadia. Uma cidade que repudia desta forma os afectos e na qual não posso ser eu mesma, não é cidade para mim.

Felizmente, o nosso destino final era uma ilha paradisíaca nas Maldivas!




Sem comentários:

Enviar um comentário

Diz o que te vai na alma