sexta-feira, julho 18, 2014

O Porto, as Directioners e afins!

E "prontos", Domingo passado lá foi dia de ir ao Porto levar a princesa ao concerto dos One Direction.

No dia em que se assinalavam os 29 anos sobre a mais marcante e peculiar actuação dos U2 - Live Aid. Aquele dia em que Bono, com uma moca desgraçada arrastada ao ritmo de "Bad", entendeu que haveria de arrancar uma fã da audiência e dar-lhe um abraço, nem que para isso tivesse de se mandar do palco abaixo. A brincadeira quase lhe custou o abandono da banda, mas pelos vistos, a coisa até correu bem.

E o que não daria uma Directioner por um miminho destes, da parte de qualquer um daqueles cinco meninos pelos quais esperaram efusivamente durante horas (algumas delas durante dias)?

Mesmo sem beijinhos nem abraços, o espectáculo valeu a pena, até para mim que só fui fazer de guarda-costas. Os miúdos são giros, cantam bem, as músicas até são porreiras, muita luz, muitos lasers e cenas pirotécnicas, muito love, até mesmo entre as próprias Directioners, de mãos dadas, o que é sempre bonito de se ver. A minha princesa saiu deste concerto comovida, agradecida e feliz. E só por isso Harry, Zayn, Louis, Niall e Liam, vocês têm o meu amor incondicional.

Tenho cá para mim que as Directioners são as mais apaixonadas e dedicadas fãs do mundo, e são sem dúvida as mais organizadas. Entre mensagens de facebook e twitter, combinaram a composição de uma bandeira nacional feita de balões. E não é que resultou?


Agora, há coisas que têm de ser ditas, meninas! Caso ainda ninguém vos tenha dito, caso ainda não se tenham virado de costas para o espelho, vocês estão gordas e carregadinhas de celulite! E o facto de terem menos de 18 anos não vos garante impunidade para desfilarem de Daisy Duke Shorts como se não houvesse amanhã. Aquilo não era casca de laranja, babes, aquilo eram autênticos colchões de molas. Quase que me fisgavam uma vista.

"Ah e tal, e tu num tens celulite queres ber?"  Tenho, mas eu tenho desculpa. Eu já fiz de pinguim durante 9 meses, eu tenho uma filha da vossa idade, a minha celulite já é de estimação, e para além disso eu já tenho gajo!

Querem uma dica de borla que vos dou eu? Sopinha ao piqueno-almoço (nada de bolos e pão com manteiga e essas cenas), frutinha, muita água, exercício físico e uma francesinha quando o rei faz anos! Eu sei que é difícil, aquilo é bom que se farta e os restaurantes de francesinha a cada esquina também não ajudam, mas já pensaram se um dia o Harry Styles vos chama ao palco para um beijinho e um abraço? Ou se vão de férias para o Algarve e encontram o Louis na praia? É possível, ainda ontem ele jantou num restaurante em Quarteira!

Só para terminar, e para não dizerem que só sei dizer mal, o Porto está um espectáculo! É duma qualidade de vida do catano! Ele é as pontes e as embarcações que floreiam o Douro, ele é a música nas ruas carregadinhas de turistas, ele é a praia ali a dois passos, a simpatia e simplicidade das pessoas, os amigos que nos recebem de braços abertos! O Porto é do Best! O Porto cidade... o clube continua a ser cocó!





sexta-feira, julho 04, 2014

Rui Tovar e o meu lado pé-de-chinelo

Cresci num bairro pequeno nos arredores de Lisboa, onde ao final do dia saía da escola e percorria a pé o caminho por entre uma comunidade cigana e um chafariz até ao restaurante dos meus pais. Grande parte da minha infância e adolescência foi passada nesse restaurante. 

Em terra de comunistas, o meu pai ganhou a alcunha de “o americano”, pois tinha amealhado algum dinheiro quando andou a servir às mesas por terras do tio Sam. Quando regressou a Portugal abriu o seu próprio restaurante.

Na altura, o restaurante tinha a particularidade de ter duas zonas bem distintas. 

De um lado, no topo da escadaria, um restaurante de 1ª categoria onde um “cicerone” convidava os clientes a bebericar um Martini, enquanto aguardavam pela mesa de sua preferência, e os seus pertences eram recolhidos num bengaleiro por uma recepcionista que curiosamente, ainda hoje trabalha connosco. Um salão enorme com vista para o rio Tejo. Nas noites de inverno ligava-se a lareira, e no silêncio cantava-se um fado. Ouvi os meus primeiros fados naquelas noites temáticas, todas as semanas com artistas diferentes. Nos outros dias, os jantares eram acompanhados por um pianista que chegou a ser meu professor de música. O lado glamoroso, onde tudo era pensado ao pormenor, com requinte e elegância. Chegámos a ter Maria João (essa, a do Jazz) no dia em que o meu irmão foi baptizado, teria eu os meus sete anos.

Do outro lado, a zona do bar. Um balcão de madeira enorme que serpenteava toda a sala, estilo "O Galeto". Bancos de pé alto, nos quais ainda pequena (não que hoje seja muito maior) tinha dificuldade em me sentar, onde a malta nova fazia refeições mais baratas ou se reunia com os amigos para um café, um bagaço, uma cerveja. Era o lado onde o rádio estava alto para ouvir o relato, onde a televisão estava ligada para assistir ao Mundial de 86, onde se pulava e gritava goooooooolo, onde o cozinheiro Monteiro (exímio benfiquista) vinha fazer as suas célebres imitações de relatos da bola, onde se ouviam gargalhadas, onde aprendi as primeiras asneiras, onde passava tardes inteiras a jogar flippers sempre com a mesma moeda, onde por brincadeira lavava pires e chávenas e, chapinhando na água, me sentia orgulhosa por estar a ajudar os funcionários, onde os clientes me pegavam ao colo e me achavam um piadão por ser miúda pequena e gostar de bola, onde tudo era mais alegre e sincero. 

A voz de Rui Tovar faz-me lembrar este meu lado pé-de-chinelo, as minhas raízes, a minha infância. Hoje e sempre.
Como diria Luís Freitas Lobo, agradeço à minha mãe o ter nascido, o ter-me feito a gostar de futebol, e ter-me dado a possibilidade de crescer nestas duas realidades. Agradeço a Rui Tovar o poder reviver estes momentos simplesmente por ouvir a sua voz. 




quinta-feira, julho 03, 2014

Shine bright like a toilet in Thailand


Ainda em construção, e tendo recentemente sofrido pequenas mazelas com o terramoto de 5 de Maio deste ano, O White Temple ou Wat Rong Khun é uma homenagem do arquitecto e artista plástico Chalermchai Kositpipat ao Rei Rama IX ( o actual chefe de estado tailandês) pelo seu contributo para os estudos do artista, sem o qual dificilmente se teria tornado no arquitecto que é hoje.

A ponte exterior que se atravessa até à entrada do templo, simboliza o inferno e o caminho que temos de percorrer até chegarmos ao paraíso, pelo que nunca devemos fazer o percurso no sentido inverso.

Dentro do White Temple encontramos imagens de guerras, do ataque de 11 de Setembro, entre outras provações humanas, seguidas de imagens de super-heróis como que perguntando onde estão os super-heróis quando mais precisamos deles.
As imagens de pessoas de diferentes raças representam a salvação da humanidade, a qual só será possível se aprendermos a viver todos juntos em harmonia. "A discórdia é o grande mal do género humano e a tolerância o seu único remédio", ja dizia Voltaire.
(Não é possível fotografar dentro do templo, pelo que nos vos posso mostrar o seu interior).

Mas a atracção que achei mais curiosa nesta visita ao White Temple foi este edifício:




E perguntam vocês: mais um templo tailandês?
Nada disso! É mesmo uma casa de banho pública.
Conhecida como The Gold Toilet of the White Temple, construída à esquerda do mesmo.
Toda forrada a folha de ouro, pintada a ouro e decorada com pedaços de vidro dourado (pelo menos pelo que me foi dito). Com pormenores excêntricos e dignos de um local de oração e contemplação.
A ideia do artista é estabelecer uma comparação com o ser humano. Qualquer coisa como: por muito requintado, polido e brilhante que alguém seja por fora, por dentro pode não passar de uma simples casa de banho!
E para entender à letra o que a obra pretende transmitir, nada como experimentar aliviarmo-nos em tão luxuosa wc.
Spoiler Alert: por dentro, não passa de uma normal casa-de-banho de loiças e azulejos brancos. Nada de ouro, nada de ramagens trabalhadas e excentricas, nada de arquitectura tailandesa. Uma simples casa de banho branca, como em qualquer outra parte do mundo.
As aparências iludem, já todos sabemos. Mas nunca é demais lembrá-lo e esta pequena maravilha fica para a posteridade, apesar de mitas vezes continuarmos a ignorar a lição. Qual de nós não cometeu já o mesmo erro?
Mas sem dúvida, a mais bela, interessante e útil casa de banho onde já estive!



SUGESTÃO DE VIAGEM À TAILÂNDIA!

terça-feira, julho 01, 2014

Já disse que não vais e não se fala mais nisso!!!

É sem dúvida o melhor e mais importante emprego do mundo, mas esta coisa de orientar ou mandar na vida de alguém tem muito que se lhe diga, chiça penico. 
Não estou falar de quando as meninas começam a ter maminhas, nem de quando os meninos começam a olhar para as meninas com olhos de lobo mau. Estou a falar de decisões aparentemente fáceis e banais, mas que podem mudar toda uma teoria de parentalidade que julgávamos perfeita.
Não tenho por hábito proibir. Prefiro uma educação em que eu apresente os prós e os contras, explico o meu ponto de vista e depois deixo-a pensar pela cabeça dela. Gosto muito que ela pense pela cabeça dela, mesmo que pense de maneira diferente da minha.
Sempre foi uma boa miúda! Estudiosa, responsável, organizada, amiga. Um descanso. Nunca me deu problemas de maior. Aliás, até há bem pouco tempo o nosso maior duelo relacionava-se com a comida. Sempre foi uma peste para comer. Desde que nasceu. Não sai à mãe! Não sai, nem tinha de sair. Demorei a percebê-lo, mas cheguei lá.

Esta minha pré-adolescente tem a sorte (gaba-te cesto) de a mãe poder e gostar de lhe proporcionar experiências que marcam uma vida: viagens, teatros, cinema, concertos, you name it. 
Quero que ela tenha liberdade de escolha, para que no futuro escolha bem! E orgulho-me disso.
De Shakira a Moonspell, de Miley Cyrus (a anterior, não esta de agora) a  Keane e Blind Zero, de Paulo Gonzo e Pedro Abrunhosa a Richie Campbell,  de Jennifer Lopez a Xutos e Pontapés e Rolling Stones. Ela vai a todas.
Sabendo-a uma enooooorme fã de One Direction comprei-lhe bilhetes com dez meses de antecedência, e sempre que puder lá estarei para a levar aos seus artistas favoritos, ou lhe apresentar artistas e bandas dos quais nunca ouviu falar. Talvez por isso ela seja fã de concertos e espectáculos, talvez por isso não goste de estar muito tempo em casa, talvez por isso esteja sempre à procura de coisas para fazer, jogue ténis, toque guitarra, arrisque a sua sorte em audições de teatro, etc…

Vai haver um mas/todavia/contudo? Vai…

Recentemente pediu-me para ir ver Miley Cyrus novamente (15 de Junho – Meo Arena). Mas, desta vez, eu disse N-Ã-O!
- Mas porque não?
- Porque já foste vê-la em 2010.
- Mas ela agora está diferente, tem músicas novas, o espectáculo é diferente…
- É exactamente por isso. Ela está diferente, para pior. Desiludiu-me muito como artista. Creio que está a puxar mais pela sua sexualidade do que pelos seus dotes de artista. E acho que não é bom exemplo para ti, não achas?
- Acho! A mim também me desiludiu um bocadinho, mas posso ir na mesma?
-Não, a mãe tem viagem marcada para a Tailândia. Nem sequer cá estou para te levar! - Disse eu confiante dos meus argumentos.
- Não faz mal, os primos vão e eu posso ir com eles!
- (ups, desta não me lembrei) - Não quero gastar dinheiro nisso!
- E se eu comprar com a minha mesada?
- Não, não compras!
- Mas porquê?
- Já te disse que não, e não se fala mais nisso! – (ser mãe também é isto, bolas!)

E não se falou mais nisso. Assunto resolvido!

No dia seguinte ao concerto, no facebook da minha adolescente leio:
;( bye miley, pode ser que seja para a próxima vez! ♡♡♡  a sentir-se triste.

E agora dizem vocês em coro: ooooooh, coitadinha!
Força, podem massacrar-me à vontade!
Eu explico: Eu até gostava da miúda, da 1ª Miley Cyrus, aquela atrevida mas sem ser a badalhoca de agora. Eu até compreendo a necessidade de ela se afastar da menina bonita e doce da Disney, eu até entendo que ela cresceu, é uma mulher, é uma artista, e dos artistas espera-se excentricidade… percebo isso tudo… o que não me conformo é que a Miss Língua de Gelado esteja pior do que a Madonna nos seus tempos áureos em que precisava de mostrar o quanto gosta de “sexar”.
E a minha filha ainda é demasiado baby para estas badalhoquices! Ela ainda é a minha filhota doce, querida da mãe, a minha princesa…
Isto é grave, eu sei, mas não me consigo controlar!
Pior! O que é que eu ganhei com esta proibição, perguntam vocês? Absolutamente NADA!
Muito pelo contrário. Como o fruto proibido é o mais desejado, a admiração/paixão da minha pré-adolescente pela Miley Cyrus ainda se intensificou mais.
Agora lembrou-se de criar uma página de facebook de seu nome Smilers, esta aqui https://www.facebook.com/pages/Smilers/1488505471386488?fref=ts onde diariamente publica maravilhas acerca da Miss Língua de Gelado, acerca da sua infância, de como iniciou a sua carreira, onde resumidamente diz o quanto ela é LINDA e PERFEITA. E ainda me enviou um convite!
Bonito!!